Consumidor: TV por assinatura não pode discriminar planos para clientes antigos e novos

 Quarta Feira, 19 de Outubro de 2016

Resultado de imagem para tv paga



Empresas devem estender a todos os consumidores as promoções oferecidas para atrair novos clientes, sem discriminar os mais antigos. Assim entendeu o juiz Matheus Stamillo Zuliani, da 6ª Vara Cível de Brasília, ao determinar que a Claro conceda benefícios semelhantes a todos os assinantes da Net, em todo o país.
O Ministério Público do Distrito Federal, autor da ação civil pública, disse que a empresa oferecia promoções para angariar novos consumidores, mas impedia os que já eram clientes de usufruir as mesmas vantagens, gerando desequilíbrio contratual e descumprindo a Resolução 632 da Anatel (agência que regula o setor de telecomunicações), que proíbe distinção com base na data de adesão.
Em resposta, a Claro defendeu a estratégia de conquistar novos assinantes e afirmou que o controle por via judicial afrontaria a livre iniciativa, a livre concorrência e a livre fixação de preços. Ainda segundo a empresa, a norma da Anatel está sendo questionada na Justiça Federal. 
O juiz, porém, considerou a prática "egoísta e ilegal". "Há quem pense que a intervenção Estatal nesse caso é prejudicial e abusiva, já que indiretamente fará com que as operadoras de telefonia e de TV por assinatura suspendam as promoções. Essa visão cética somente confirma o lado individualista de quem visa angariar a própria vantagem", diz na sentença.
Quem pensa dessa forma, segundo o juiz, "esquece que a extensão da promoção aos demais assinantes incentivam que eles permaneçam na
operadora, estando feliz com seus filmes, séries, futebol e desenhos aos filhos". Para ele, a lei da oferta e da procura "ainda é forte e vigente, facilitando a migração com a simples portabilidade".
A sentença também manda a empresa divulgar em seu site que suas ofertas valem para todos os assinantes. O MP-DF também queria que a empresa fosse condenada a pagar indenização por dano moral coletivo, mas o juiz não viu nenhum motivo para reconhecer "grande violência" à honra de clientes. A decisão foi proferida no dia 6 de outubro, e a ré já recorreu. Com informações da Assessoria de Imprensa do MP-DF.
Clique aqui para ler a sentença.
Processo: 2015011117295-0





fonte: Conjur
imagem de http://rd1.ig.com.br/tv-paga-tira-audiencia-das-emissoras-abertas-no-horario-nobre/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Comidas Típicas do Piauí

Artigo: O Endosso-Mandato e o Endosso-Translativo

Artigo: Voz de Prisão: Quem pode e quando se pode dar ...